26.2.09

O Início da Macacada

Depois de ler este post do Rodrigo Ávila no NS, gostava de por na mesa uma questão interessante.
Muita gente questiona "se pessoas do mesmo sexo se podem casar, porque não me posso casar com um animal?" ao que se responde "porque um animal não tem personalidade jurídica".
O.K. Não estou de acordo com o casamento de homossexuais, mas estou de acordo com o argumento da personalidade jurídica.
Mas... E se o animal for um macaco? Ou gorila? Ou babuíno? Ou qualquer outro símio.
De acordo com estes senhores, o animal - sim, animal - só pode ser preso após um correcto processo legal. Ou seja? O que é que isto lhe dá? Sim! PERSONALIDADE JURÍDICA!!
Ou seja, de acordo com estes senhores, o casamento entre homem e símio, ou seja, entre hominídeos, seria possível...
Agora dizem-me "mas isso é um disparate pegado! Ridiculariza o casamento!".
E o casamento homossexual? É assim tão lógico? É que, se eu defender o casamento entre hominídeos, chamemos-lhe assim, todos pensam que perdi de vez a cabeça. Se eu entendo que, para mim, o matrimónio é, culturalmente, desde sempre, celebrado entre homem e mulher com o intuito de constituir família e que o casamento homossexual é uma moda recente, todos me chamam conservador e primitivo.
Por isso digo: já que têm o casamento homossexual, deixem que os Tarzans e Xitas dessa Espanha exprimam o seu amor livremente!

Leiam também nos seguintes blogs:

À Beira Mar Plantado

Always On The Phone

8 comentários:

Manel Aranha disse...

Não ponhas o matrimónio ao barulho... O matrimónio é um dos Sacramentos da Igreja Católica, e nesse - graças a DEUS - podes ter a certeza que os homossexuais não entram...

Carolina Pacheco disse...

Este comentario é um atentado à dignidade Humana e até mesmo à Espiritual.
Mas a sorte é que a igreja tem vindo a perder seguidores e como tal , pessoas como o Senhor Manuel Aranha tambem.

Nuno Silva disse...

O Manuel Aranha não disse nada de grave...apenas uma verdade, na Igreja não casam (a não ser que a própria mude o que não me parece). Na Igreja, manda a Igreja!

Carolina Pacheco disse...

O criterio de s é grave ou não é relativo e depende das ideias de cada um.
Não é mentira que os homosexuais não podem casar pela igreja , é aliás uma grande verdade ,assim como o Senhor Nuno Silva afirma, contudo só tenho pena que isto seja mais uma confirmação de que a mudança de mentalidade é um processo que é demasido lento. JÁ AGORA heterosexuais deixem de praticar relaçoes sexuais antes DO MATRIMONIO. Sim porque a igreja condena, heterosexuais não utilizem o preservativo porque a igreja condena.Mas estes já são outros argumentos que nos levariam a outros tópicos.
Ainda assim kero deixar claro ao Senhor Nuno Silva que a ideia que Manuel Aranha deixa ,é a de exclusão... e se acha que isso nao é grave.......só lhe tenho a dizer que nao partilho da sua opinião.

Nuno Silva disse...

Carolina, na tua casa deixas entrar quem tu queres ou entra toda gente a vontade??? Na sua ordem de ideias, se não entre quem quer, esta a excluir os que não entram...isso é discriminação, é crime.
Ora as coisas não funcionam assim...
Na minha casa entra quem eu quero, porque é minha, é privado!
Ora com a Igreja é a mesma coisa. A Igreja é uma entidade que não é pública, logo tem todo o direito de dizer aquilo que lhe apetece...se a Igreja diz que os homossexuais não podem contrair o Matrimónio (nada haver com o casamento civil), é com a Igreja Católica, como se for a Luterana a dizer, é com a Luterana Tem o direito de o dizer. Quer queiramos ou não, até a linha oficial mudar, esta é a política da Igreja Católica.
A Igreja condena o uso do preservativo, é verdade. Mas, como a Igreja não é Estado e não tem poder legislativo, não é lei. Se quiserem usar usam, se não quiserem não usam. Arrisco-me a dizer que a esmagadora maioria dos católicos não acata essa decisão da Igreja.

PS: não sou fã que me chamem Senhor, se acreditar, esse está no céu.

Carolina Pacheco disse...

A minha observação foi directamente para o primeiro comentário e já estamos a divagar, é claro que a igreja toma as decisões que quer e que bem entende , agora EU TAMBEM POSSO expressar o que EU ACHO E/OU PENSO ,neste caso nao posso deixar de demonstrar aquilo que na minha opinião eu acho que está mal, respeitando contudo a opinião de outros. Não te contradigo, em algumas questões, apenas tento expressar as minhas opiniões.

Carolina Pacheco disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Nuno Silva disse...

Certo, liberdade de expressão é das coisas que mais gosto. E claro que podes sempre ter uma opinião. No entanto, há sempre que ter em conta que é uma opinião para a qual não tens "direito" a dar no sentido em que não é coisa pública se é que me faço entender, não é como uma política de Estado em que como cidadã podes e deves te expressar.

PS: O comentário da Carolina apagado foi feito por um administrador (eu) a pedido da própria...