2.3.09

Highlights dos casamentos homossexuais no Prós e Contras

Uma vez que o tópico já foi lançado no Sem Filtro, permitam-me que também revele a minha posição: sou contra o casamento civil dos homossexuais nos mesmos termos do casamento civil heterossexual.

 Compilei algumas das tiradas que mais me chamaram a atenção no debate:

 O defender-se o casamento de pessoas do mesmo sexo ou o defender-se o casamento tal como ele existe, é uma posição política e tanto uma como a outra são posições perfeitamente respeitáveis.  por Eduardo Nogueira Pinto

 Será legítimo que uma pessoa possa casar com seu próprio filho, casamento de incesto? Eu digo que não. É um limite à sua liberdade! Será ou deve ser legítimo o casamento poligâmico? Eu digo que não. Quer dizer, de facto, há limites reais que são postos nas nossas opções por Padre António Vaz Pinto

 Se os homossexuais só se sentem dignos através do casamento, é triste isso, porque não precisam verdadeiramente de uma instituição que não lhes serve, que não foi criada para eles, pensada para eles, não precisam verdadeiramente de perverter na sua essência um conceito, para ter dignidade. por Nuno Salter Cid 

Para se saber o que é o casamento, não é só ler o código-civil. Temos de ver a função social. por Vaz Patto

 Finalmente,

 “Se isto é uma questão de igualdade, então não estamos a falar de casamento só, estamos a falar dos direitos que a possibilidade de casar trazem, e por tanto estamos a falar, como é óbvio, de adopção por Rui Castro.

Espero assim contribuir para o debate!

11 comentários:

Daniel Rocha disse...

Sou assumidamente homossexual.
sendo eu um cidadão português com plenos direito e deveres, porque não posso casar com um homem?
Porque me tratam de maneira diferente?
pago os meus impostos, cumpro com os meus deveres de cidadão, porque me continuam a negar tal direito?
A Constituição deveria me proteger quando fosse ou me senti-se descriminado ou marginalizado, contudo tal situação não acontece
"...se os homossexuais só se sentem dignos através do casamento, é triste..."
Triste é este comentário. Eu não me vou sentir mais ou menos digno por casar com outro homem, apenas mereço ser tratado de maneira igual aos outros cidadãos, que ter poder de escolha entre casar ou não casar.A minha liberdade de escolha é um direito que me pertence e é inalienável.

MM disse...

Caro Daniel Rocha,

1. Não concordo que sejam os do contra a ter de se multiplicar em justificações, quando deveria existir uma ênfase, no discurso dos favoráveis ao casamento, no sentido de um justificar de posição, em vez de requerer aos do contra se que justifiquem. Os homossexuais que querem casar estão mais no dever de mostrar a igualdade em que se baseiam do que os que estão contra de mostrar a desigualdade em que se baseiam, porque são vocês que querem alterar o que existe.

2. Se entrarmos nas questões dos direitos e pergunto-lhe se concorda com o casamento poligâmico e se concorda com o casamento entre irmãos ou entre pais e filhos? Poderá pressupor que também eles poderiam regatear os seus direitos ao casamento, o que, convenhamos, seria tal como citei, destruir o conceito de casamento. (Repare ainda que se as relações homossexuais tivessem sido permitidas há mais tempo, você, tal como eu, poderíamos nunca ter existido, embora estejamos certamente a especular àcerca das centenas de gerações de parentes de sangue, que nos antecederam)

3. Mas, Daniel, permita-me que lhe pergunte isto: acha que as relações homossexuais são iguais às que o seu pai e a sua mãe tiveram aquando do seu nascimento e porventura educação? Não lhe faz confusão, no âmbito da lógica da espécie, que você seja o produto de uma relação heterossexual e que um outro homossexual com quem se relacione seja igualmente produto de outra relação heteressexual, mas que ambos se achem, aos olhos da sociedade, semelhantes às duas relações que estiveram na vossa génese?

4. Discriminados são também os gordos ou os punk. Os seus argumentos aplicam-se igualmente a eles: também a constituição os deveria proteger, portanto não se agarre muito a ela, porque senão todos nós poderíamos encontrar aspectos que fomos já descriminados (como o facto de eu não ter mais do que 1, 68m).

Ao dispor,

Marcelo Melo

Daniel Rocha disse...

Porque o Marcelo mistura casamentos homossexuais, poligamos e outras aberrações?
Estas situações são diferentes não podendo se misturar tudo no mesmo saco.
Em relação aos casamentos poligâmos, se este for um costume ancestral de determinada região,não vejo qualquer inconveniente em ser legal. Agora, numa sociedade em que não haja essa pratica reiterada no tempo, sou totalmente contra a sua legalização.
No outro exemplo, apenas tenho lhe a dizer que a Ética e a Moral são guardiãs da sociedade.
Defendo o casamento homossexual porque quero ter a opção de escolha, será difícil de compreender???
Porque não podem existir vários tipos de casamentos? numa área os casais reproduzem, noutra não. qual é o problema?
O seu problema está apenas no conceito "casamento"?
Todas as pessoas ao longo da vida,num determinado momento serão discriminadas por qualquer razão, contudo o estigma que os homossexuais tem que carregar é imenso e difícil de compreender para os heterossexuais.
A marginalização a que os homossexuais estão sujeitos leva a uma solidão extrema, corte de relações com a sociedade e possível suicido, pois torna se impossível viver num mundo em que ninguém respeita nem é tolerante.
É este o exemplo que queremos passar para as gerações futuras? em que o respeito pelo seu semelhante e o direito à dignidade humana são apenas para alguns e não para todos?
O desprezo e a intolerância que certas sociedades nutrem pelos homossexuais é um sinal de decadência de uma sociedade que se diz justa e tolerante.

Tiago Loureiro disse...

Caro Daniel,

Tal como quer ter opção de escolha, também um praticante da poligamia pode reclamar esse direito. A grande questão é essa: há argumentos de defesa do casamento homossexual que também servem para defender o casamento poligâmico e até o incestuoso. Liberdade contratual, a não discriminação na regulação de afectos... enfim, quase todos.

Por isso sejamos honestos: casamento entre pessoas do mesmo sexo, sim; mas há que mostrar abertura para os demais.

Daniel Rocha disse...

O argumento do casamento incestuoso, a meu ver, é completamente ridículo e desapropriado.
Quanto ao poligâmico, caro Tiago, se na sociedade portuguesa não existem casos, e se ao longo dos séculos essa pratica não foi usual e muito menos aceite, porque iríamos agora tentar legalizar esse tipo de casamento?

Tiago Loureiro disse...

Daniel, permita-me um conselho que, de tão básico, deveria ser desnecessário: não seja preconceituoso ao analizar a questão da poligamia. Por certo não gosta quando outros utilizam o mesmo tipo de argumentos para o fazer em relação à homossexualidade.

Daniel Rocha disse...

o centro da questão é o casamento homossexual não o casamento poligâmico.
Uma última nota, em relação a este assunto, cada um é livre de fazer ouvir a sua voz. se alguém se sente marginalizado deve combater essa exclusão.
Eu não o vou fazer.
Realmente desnecessário é incluir casamentos incestuosos neste debate.

brmf disse...

"Repare ainda que se as relações homossexuais tivessem sido permitidas há mais tempo, você, tal como eu, poderíamos nunca ter existido"

Desde quando é que as pessoas são homo ou hetero só porque é "comum" assim ser?

Se assim fosse, todos queriam ser heterossexuais. É bem mais fácil.

Anónimo disse...

Fico preplexa ao ver tanta e falta de originalide por parte dos argumentos utilizados por alguns de voces.A comparação de casamentos incestuosos com o casamento entre homosexuais, e o apelo ao argumento da reproduçao, ou nao .... é totalmente descabida.A propria tolerancia tem limites.
Nao acho que se deva fazer do tema programa de governo , no entanto , merece relevancia pois é um instrumento do combate à discriminação.
Só tenho pena que estas pessoa fazem este tipo de comentarios agora, daqui a vinte anos vao ser ridicularizados em programas do genero Gato Fedorento eletronico e acreditem podiam ter chegado la sem terem que passar por isso. correndo o risco de me contradizer ,porque todos tem direito a sua opiniao , e parecendo , eu respeito apelem ao bom senso e nao escrevam tantas atrocidades , encontrem arguntentos pelo menos mais intelegentes.

MM disse...

Caro bmrf,

Compreendo o teu ponto e admito que poderás ter razão.

De qualquer modo e para que seja claro o que se entende por relevância social do casamento, penso que é interessante interpretar a nossa genealogia e pensar que bastaria um n-avô anterior ter quebrado a cadeira para toda uma linha desaparecer do mapa.

Realmente a heterossexualidade ou homossexualidade não são uma opção, mas muito menos o é o casamento, a ponto de permitir uma bifurcação de caminhos que claramente conduzem a resultados antagônicos do ponto de vista de existência humana.

Marcelo Melo

MM disse...

Caro Anónimo,

Descabido é um comentário à socapa, sem identificação.

Queria identificar-se e o seu comentário merecerá a minha atenção.

Cordialmente,

Marcelo Melo